Separadores primários

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
27
28
29
30
31
1
2
 
 
 
 
 
Inscrições caminhada solidária

Inscrições caminhada solidária

O grupo de Educação Física, o Projeto de Educação para a Saúde do Agrupamento de Escolas Fernão de Magalhães e o BTT Clube de Chaves, dando cumprimento ao Plano Anual de Atividades da instituição, vão organizar uma caminhada solidária no próximo dia 1 de junho.

No programa do evento, a concentração de participantes está agendada para as 8:30 no Largo da Lapa, com saída em autocarro em direção ao Santuário da Nª Srª da Aparecida em Calvão, local onde se realizará um pequeno almoço e onde iniciará o percurso em direção à escola Fernão de Magalhães.

Solicitamos o preenchimento do formulário que se segue uma vez que as inscrições estão limitadas a 75 participantes.

Os interessados deverão fazer-se acompanhar por bens alimentares que posteriormente serão distribuídos pelas famílias mais carenciadas do agrupamento.

As fotos podem ser visualizadas aqui.

Anexos: 
01/06/2019 - 08:30 a 12:30
 
O Dia do Agrupamento e as Comemorações da Circum-Navegação

O Dia do Agrupamento e as Comemorações da Circum-Navegação

O Dia do Agrupamento e a Viagem Circum-navegarão

No dia 30 de maio comemoramos o 6.º aniversário de vida deste Agrupamento. Quisemos também lembrar os 100 anos em que o Liceu de Chaves passou a designar-se Liceu Nacional de Fernão de Magalhães, integrada esta designação no conjunto de 33 personalidades de relevo da nossa história pátria, atribuídos a outros estabelecimentos congéneres para que a sua “lembrança constitua para os educandos perene sugestão de virtudes cívicas e morais e o reconhecimento de sólidos valores intelectuais e, ainda, como forma de perpetuar alguns dos nomes mais notáveis da vida intelectual e ativa de Portugal”. E a razão desta designação justifica-se pelo seu simbolismo histórico e porque, possivelmente ser natural de Trás-os-Montes (Sabrosa?).

Quisemos, ainda, iniciar oficialmente o ciclo comemorativo do V Centenário da Viagem Circum-navegarão, comandada pelo navegador Português Fernão de Magalhães e terminada pelo navegador espanhol Sebastián d’Elcano.

O Governo Português criou a Estrutura de Missão para as Comemorações dos 500 anos, presidida pelo Dr. José Marques.

Com as Comemorações ficamos a conhecer melhor a figura do nosso Patrono: era uma personagem com grande presença de espírito, leal, determinado, e ainda um misto fascinante de perspicácia e de coragem. Soube calar-se, soube esperar, como que suspeitando que o destino ainda lhe reservava muitos anos de aprendizagem e de provações para a verdadeira façanha que lhe cumpria realizar.

Foi um injustiçado. Não lhe foram atribuídos louros, não teve descendentes diretos, "foi um anti-herói que morreu a meio da refrega, mas que nos deixou um legado riquíssimo de conhecimento e uma visão de futuro. A personalidade de Magalhães mistura explosivamente energia demoníaca, audácia e prudência. Rebelde racional, o navegador entrega-se intensamente à missão da sua vida, desafiando os deuses e os homens, e consegue, com isso, transformar para sempre a realidade". (cito o escritor Stefan Zweig).

Foi um feito ao mais alto nível. Foi uma façanha à escala planetária e tudo o que daí adveio para bem da humanidade. Mas o feito não tinha acontecido sem as condições logísticas que a coroa espanhola pusera à sua disposição. Depois da sua morte a viagem terminaria, comandada por Sebastán D’Delcano, com a chegada da nau Vitória a Sevilha, no dia 8 de Setembro de 1522.
As comunidades educativas das duas escolas empenharam-se desde o início do ano letivo na elaboração de trabalhos, muitos deles expostos, hoje, nas diversas salas.

Realço a participação no Carnaval promovido pela Câmara Municipal de Chaves, destacando aqui o contributo da Associação de Pais de Vidago, de um modo especial o seu Presidente.
No Plano Anual de Atividades do Agrupamento foram inseridas diversas atividades alusivas à viagem e a Fernão de Magalhães.

Realizaram-se duas visitas de estudo a Sabrosa e ao Douro Vinhateiro – alunos do 10º e 11.º anos.

As comunidades escolares envolveram-se nestas atividades, apesar da obrigatoriedade de cumprir os programas, avaliação e preparação das provas de aferição e dos exames.

Foram colocadas duas faixas no frontispício da escola sede.

Está programada a atividade VidaGO – Nesse sentido o Agrupamento de escolas Fernão Magalhães, propôs-se trabalhar o tema nas várias disciplinas e áreas. A Escola Básica de Vigado, com a coordenação do Professor de Educação Visual, Nuno Florêncio propôs-se dinamizar um projeto intitulado “VigaGO”, inspirado na viagem de circum-navegação, e todos os jovens que frequentam os 2º e 3º Ciclos na escola de Vidago têm uma participação ativa/artística no projeto.

Queremos realizar outros eventos e conferências, relacionadas com as comemorações. Fizemos a nossa inscrição na Rede de Escolas Magalhânicas.

São e serão momentos que nos permitem conhecer melhor o nosso patrono, mas não é menos importante conhecer com mais rigor a preparação e o conhecimento de um dos maiores eventos da humanidade, que nos faz pensar no futuro, que necessita ser refletido, planeado, estudado sobre assuntos tão delicados como sejam: valorização do conhecimento; as alterações climáticas; preservação e aproveitamento de forma sustentável a enorme riqueza dos oceanos; a comunicação entre as pessoas; a cooperação entre os países, entre povos e raças diferentes; o conhecimento científico e a sua aplicação tecnológica ao serviço da humanidade.

A Viagem deve prosseguir, e não é demais relembrar, no sentido da sensibilização ambiental, do aquecimento, do uso de material plástico e de papel, redução do consumo de água, separação dos resíduos; pensar a biodiversidade; pensar e concretizar uma globalização positiva de modo a que possamos deixar uma vida melhor aos nossos vindouros.

A cerimónia e as exposições foram consideradas pelos convidados de excelentes.

Nós, Direção, queremos agradecer o imenso empenho, a grande dedicação e o enorme trabalho realizado, que nos permitiu fechar o ano letivo com chave de ouro.

O nosso bem-hajam pelo contributo dado pelas duas comunidades educativas para que este evento, tão simbólico para todos nós, tivesse tido o reconhecido sucesso, que excedeu as nossas expectativas.

A Direção

As fotos podem ser vistas aqui.

01/06/2019 - 18:45
 
 
3
4
5
6
7
8
9
 
 
 
Oferta Formativa 2019/2020
06/06/2019 - 18:45
 
 
 
 
10
11
12
13
14
15
16
DESAFIO MATEMÁTICO DE JUNHO DE 2019

DESAFIO MATEMÁTICO DE JUNHO DE 2019

Na Ilha Magalhânica, a moeda em circulação é o Fernão.
Na Escola Magalhães dessa Ilha, o Professor Fernão diz aos seus alunos:

" Preciso de comprar uma pequena Nau que custa 100 fernões para vir de casa para a Escola. Se um de vós me emprestar metade mais dois dos fernões que tenho na carteira então o dobro do meu dinheiro totalizará o preço dessa nau. Conseguem descobrir a quantia da minha carteira?"

Solução do desafio do Dia do Agrupamento → 234 homens

A solução do desafio de maio segue em imagem anexa.

AnexoTamanho
Image icon seis.jpg35.94 KB
10/06/2019 - 22:30
 
 
 
 
 
 
Entrega das Informações aos Pais/Encarregados de Educação - 3º Período
16/06/2019 - 20:30
 
17
18
19
20
21
22
23
EB Vidago (Agrupamento de Escolas Fernão de Magalhães) apresenta projeto VidaGO

EB Vidago (Agrupamento de Escolas Fernão de Magalhães) apresenta projeto VidaGO

A EB Vidago (Agrupamento de Escolas Fernão de Magalhães) convidou a sua comunidade educativa para a inauguração / apresentação do Projeto VidaGO, cuja cerimónia decorreu no passado dia 5 de Junho no Balneário Pedagógico de Vidago.
Trata-se de um projeto artístico e de carácter disciplinar / multidisciplinar. O grande mentor e responsável foi o professor de Educação Visual, o professor Nuno Florêncio, a quem calhou, no presente ano letivo lecionar a todas as turmas do 2º e 3º ciclo da Escola Básica de Vidago. Lançou a todos os alunos, no âmbito dos conteúdos da sua disciplina o desafio de pintarem o seu autorretrato.
A partir desta proposta nasceu a ideia do projeto. Era ver como os alunos se dedicaram, como se esforçavam, como combinavam as suas capacidades. Os trabalhos, individuais (já que cada um era responsável pelo seu autorretrato), rapidamente deixou de ser um projeto individual, dado o esmero, a aplicação para que todos fizessem um trabalho exemplar e de perfeição. Surgiu a ideia da exposição, mais tarde da exposição na própria vila. O projeto ganhou pernas, para sair dos portões da escola e envolver a própria vila.
O Agrupamento, entretanto, está embrenhado nas comemorações V Centenário da Circum-navegação de Fernão de Magalhães. Foi também um ano em que todos no Agrupamento ficamos a conhecer o patrono, uma figura que todos, provavelmente no país e no mundo sabem que foi o grande responsável pela 1ª circum-navegação do nosso planeta, mas pouco mais que isso. Aprofundou-se esse conhecimento e hoje conhecemos o Homem, o seu conhecimento, os seus feitos, …
O projeto VidaGO, parte também desse conhecimento, parte de todos os alunos do 5º até ao 9º ano. Eles são o presente de Vidago e aldeias adjacentes, será com eles que o futuro será construído. Usa-se a palavra Vidago, Vida + GO, num jogo de palavras em que a vida destas terras e gentes dependerá destas crianças e jovens serem empreendedoras, ativas, conhecedoras, interventivas, tal como foi o patrono Fernão de Magalhães no seu tempo. Go, lema de futuro, terra e gentes com futuro, que são estes jovens.
A aplicação destes alunos foi exemplar, numa manifestação de trabalho colaborativo, em que era frequente numa hora morta ou num furo, os alunos preferirem pedir para ir para a sala de Desenho continuar os seus trabalhos (trabalho demorado e de minúcia) e era um vislumbre de satisfação ver alunos de diversos anos letivos diferentes num mesmo espaço a trabalharem em perfeita harmonia e entreajuda. A pedagogia perfeita, do ponto de vista do professor.
E como ocupar o tempo dos alunos que iam terminando os seus autorretratos? Pesquisaram-se figuras da história e cultura de Portugal e local e pintaram-se retratos dessas figuras.
Então, no dia 5 de Junho foi inaugurada a exposição que estará patente no Balneário Pedagógico de Vidago durante os meses de Verão, para todos os que não puderam estar presentes. Vale a pena visitar. Um edifício moderno e com condições impares para este tipo de exposições.
Tal como Fernão Magalhães saiu mundo fora, professores e alunos na manhã do dia 5 rumaram ao Balneário Pedagógico para fazer uma inauguração intimista com os alunos. Foi comovente, uma sessão emotiva. Lágrimas foram derramadas, pelo feito conseguido, até de saudades (de alunos que nesta escola completaram o percurso formativo).
Ao fim do dia a inauguração oficial, com a presença de diversos convidados. Agradecemos desde logo a presença de muitos pais e encarregados de educação, que vieram admirar as obras primas de filhos, sobrinhos, afilhados, netos, amigos.
Agradecemos a presença do Senhor Presidente da Câmara Municipal de Chaves, Presidentes de Juntas de Freguesia, do Presidente e do Comandante dos Bombeiros Voluntários de Vidago, do representante do posto da GNR de Vidago, da Casa da Cultura de Vidago, Vidago Futebol Clube e demais população presente, que muito valorizaram e contribuíram para o sucesso deste evento.
Na cerimónia de inauguração usaram da palavra o professor Nuno Florêncio, que explicou o Projeto a todos os presentes, o Diretor do Agrupamento, Fernando Félix Castro, que aludiu aos feitos de Fernão de Magalhães e dos alunos. Agradeceu ao professor Nuno Florêncio com a oferta da medalha do agrupamento. De seguida, tomou a palavra o senhor Presidente da Câmara Municipal de Chaves, que também elogiou os trabalhos conseguidos pelos alunos e o trabalho desenvolvido pelos professores.
Entretanto, os alunos também surpreenderam o seu «comandante» Nuno Florêncio com palavras de louvor e ofereceram uma t-shirt com a sua cara desenhada e autografada por todos eles. O Professor Nuno Florêncio e os seus alunos, também surpreenderam a professora Rosa Vilhena e o professor Agostinho Paulo Lage (da gestão da EB Vidago – Agrupamento de Escolas Fernão de Magalhães), com a oferta dos retratos que entretanto haviam pintado.
A cerimónia foi, depois, abrilhantada por atuações preparadas pelos professores de Educação Musical e de EMRC. Atuações também emotivas e que envolveram os presentes. As atuações, no âmbito destas disciplinas também tocaram pontos dos conteúdos programáticos (poema de Fernando Pessoa, a temática do amor, ..).
Agradecemos, ainda aos alunos da escola sede, que também participaram na cerimónia, particularmente, à aluna Sara Pinto que interpretou de forma brilhante a “Canção do Mar” de Dulce Pontes.
A culminar o programa, a brilhante atuação do quarteto de Metais da Academia de Artes de Chaves que agradecemos ao Maestro Luciano Pereira, antigo aluno da EB Vidago, participação esta, que em muito enriqueceu a cerimónia.
Do balneário Pedagógico de Vidago, seguimos para o grande Hotel de Vidago, no centro da vila de Vidago, por contraste um edifício antigo, já desativado, onde inauguramos painéis com pinturas de figuras da cultura portuguesa e de Vidago, colocados nas janelas do rés-do chão do hotel. As personalidades retratadas são D. Afonso Henriques, Fernão de Magalhães, Fernando Pessoa, Eugénio de Andrade, Miguel Torga, Sofia de Mello Breyner, João Rodrigues Vieira, José Saramago, Nadir Afonso, Amália Rodrigues e Eugénia Campilho (a Santa Eugénia de Vidago, comemoram-se os 100 anos da sua morte).
Ali, defronte de tão ilustres personalidades a EB Vidago ofereceu um Porto (Vidago) de Honra a todos convidados.
Agradecemos ainda a todas as instituições locais que colaboraram com a Escola Básica de Vidago e tornaram possível a realização desta forma tão bem sucedida deste evento, nomeadamente ao Senhor Rui Branco, presidente da União de Freguesias de Vidago, Arcossó, Selhariz e Vilarinho das Paranheiras, à Doutora Fátima Pinto, diretora das Termas de Chaves, entidade gestora do Balneário Pedagógico de Vidago, ao Senhor Artur Gonçalves, Presidente da Associação de Pais e Encarregados de educação, à SuperJob, sua empresa, às Águas Campilho, Consurema e Sabores da Eira, pela colaboração dada.
Realce ainda, como parte não menos importante do Projeto VidaGO, para um ciclo de conferências, a realizar no Balneário Pedagógico de Vidago, aberto a toda a população, subordinada ao tema “Viagens”, a realizar nos dias 11 de Junho “Uma Brincadeira tornada demasiado séria”, pelo Laboratório das Artes de Guimarães (ao qual também pertence o Professor Nuno Florêncio), 13 de Junho, “ Produção a partir da Criação, por Pedro Silva, Diretor do Centro Cultural de Artes Vila Flor, de Guimarães, 18 de Junho, “Viagen(s), Encontro(s) e Desencontro(s), pelo Prof. Doutor Joaquim Escola, da UTAD e 25 de Junho, “Entre o Gerês e os Himalaias”, por António Coelho, alpinista profissional.
Merece uma menção ainda o facto do Projeto VidaGO ter sido apresentado pela Professora Helena Ribeiro, do CFAE do Alto Tâmega e Barroso, como exemplo de práticas pedagógicas, nos domínios da articulação curricular, no Encontro Nacional de Autonomia e Flexibilidade Curricular, no passado dia 4 de Junho, na Figueira da Foz, também, com feedback muito positivo.

17/06/2019 - 22:30
 
Uma Brincadeira tornada demasiado séria

Uma Brincadeira tornada demasiado séria

Teve início o ciclo de conferências do Projeto VidaGO, promovido pela EB Vidago (Agrupamento de escolas Fernão de Magalhães) no dia 11 de Junho, no Balneário Pedagógico de Vidago.

Perante um auditório bem composto, prova que o projeto continua a “mexer” com as rotinas da população, que, nem que seja pela curiosidade, dispôs-se, a deslocar-se a um espaço tão nobre quanto moderno, pelas 21.30 horas para mais um evento de natureza cultural, assistir a uma conferência e aproveitar para tertuliar um pouco.
Os conferencistas convidados integram o projeto “Laboratório das Artes”, e vieram de Guimarães; Nuno Florêncio o mentor do Projeto VidaGO é um desses elementos, acompanhados por Jorge Magalhães e Miguel Oliveira.

Ao longo de aproximadamente duas horas fez-se uma retrospetiva da história do Laboratório das Artes como se de um conto se tratasse. De como, uma brincadeira de jovens, de amigos, recém-formados na área das artes plásticas se tornou em algo bem sério; das dificuldades iniciais, do crescimento, da afirmação no panorama das artes em Guimarães, antes, durante a após Guimarães ser capital europeia da cultura, brincadeira que permitiu conhecer, estabelecer contactos, privar com os expoentes máximos ligados a diferentes formas de expressão artística, num processo de crescimento, que levou os elementos do Laboratório das Artes a serem eles próprios referências não só a nível local e regional, mas também nacional, como evidenciam os convites de personalidades e instituições de renome, como o Centro Cultural Vila Flor ou Serralves para participações em eventos.

O denominador comum a esta brincadeira que se tornou demasiado séria, em que se assumiram projetos de uma dimensão até financeira significativa é a perseverança e a resiliência face às dificuldades que surgiram pelo caminho.

O sumo desta conferência também podemos concluir foi pedagógico. Face ao paralelismo com a realidade local, de Vidago, vila repleta de hotéis e pensões desativados e abandonados, que até dá dó, realidade similar à que era encontrada em Guimarães nos tempos do início do Laboratório das Artes, em que jovens artistas locais, perante regras bem definidas com os proprietários de espaços em tais condições assumiam tais espaços que eram transformados em espaços de arte, para a arte, para todos. Ideia lançada tipo desafio aos jovens, ocupem regradamente edifícios abandonados (com permissão dos proprietários), façam a reconversão funcional em espaços abertos, por exemplo às artes, à cultura, à educação, … criem brincadeiras que depois se possam tornar demasiado sérias.

Agradecemos mais uma vez às termas de Chaves, à Vidagus Termas pela disponibilização do espaço do Balneário Pedagógico para a realização desta conferência. Agradecemos ainda à Câmara Municipal de Chaves, ao Senhor Agostinho da “Bellíssima” pelo apoio dado para a realização desta conferência e ao Laboratório das Artes de Guimarães pela disponibilidade e pela qualidade da conferência.

Aproveitamos para convidar a população a assistir, no Balneário Pedagógico, às próximas conferência do Projeto VidaGO, no próximos dias 13, 18 e 25 de Junho, sempre pelas 21.30 horas, sendo conferencistas o Dr. Pedro Silva, Diretor Artístico do Centro Cultural Vila Flor, de Guimarães, o Prof. Dr. Joaquim Escola, da UTAD e António Coelho, alpinista profissional, respetivamente.

18/06/2019 - 18:45
 
FESTA DE ENCERRAMENTO DO ANO ESCOLAR

FESTA DE ENCERRAMENTO DO ANO ESCOLAR

O Agrupamento de Escolas Fernão Magalhães realizou, no dia 14 de junho, a 4ª edição do Concurso de Dança, no âmbito da Festa de Encerramento do ano escolar, que contou com a participação das turmas do 2º e 3º Ciclos, num total de 160 alunos. Esta atividade foi organizada pelo Departamento de Expressões em colaboração com o Projeto de Educação para a Saúde (PES) e teve por objetivo criar hábitos de vida saudáveis que envolvem as atividades física, cultural e artística, aumentam a consciência corporal, a noção de tempo e de espaço, melhoram a autoestima, desenvolvem capacidades cognitivas, tais como a memória e a concentração, promovem o trabalho em grupo, estimulam a criatividade e fomentam o sentido estético.

Este evento teve lugar no Largo General Silveira e entusiasmou todos os presentes quer os da comunidade educativa quer os da comunidade local que assistiu ao espetáculo das esplanadas e bancos dos jardins circundantes. É de realçar o empenho e a animação por parte de todos os envolvidos. No final, o júri decidiu atribuir ao 5º B a merecida vitória do 2.º ciclo e ao 9º B a também merecida vitória do 3º Ciclo.

Parabéns a todos e boas férias.

As fotos podem ser vistas aqui.

19/06/2019 - 16:30
 
 
 
 
 
24
25
26
27
28
29
30
Ciclo de Conferências VidaGO

Ciclo de Conferências VidaGO

A experiência VidaGO começa a espalhar-se e o Ciclo de Conferências que está a decorrer em Vidago, no Balneário Pedagógico, começa a ganhar fama.

Depois da primeira conferência realizada no passado dia 11 de junho, noticiada na semana passada, já se realizaram mais duas conferências, no passado dia 13 de junho, pelo Dr. Pedro Silva, Diretor de Produção do Centro Cultural Vila Flor, de Guimarães, com conferência intitulada “Produção a partir da criação”; e, dia 18 de junho, a conferência “Viagen(s), Encontro(s) e Desencontro(s), pelo Professor Doutor Joaquim Escola, da Universidade de Trás os Montes e Alto Douro.

Ambas as conferências de que aqui se faz notícia foram de elevada qualidade. Esta qualidade advém de uma aprendizagem acessível a todos sobre assuntos que aparentemente são descontextualizados da nossa realidade do dia-a-dia, mas que efetivamente não o são. Diariamente, todos somos chamados a produzir, a programar. E se temos competência, capacidade para fazer algo – este algo pode ser a grande ou pequena escala, com maior ou menor envolvimento de pessoas ou territórios, instituições, população, devemos arriscar e fazer. É Como este projeto VidaGO, podia-se ficar pelas intenções, podia-se fazer uma versão minimalista, dentro da escola, para os que vivem no “casulo”, professores e alunos, mas, não estamos a fazer o projeto completo, abrimos para a comunidade, porque houve capacidade para o fazer. E há a satisfação de ver a população a aderir gradualmente, de ver as pessoas a fotografar os trabalhos expostos na fachada do grande hotel, ou no Balneário Pedagógico.

Muitas vezes produzir é fazer opções e o Dr. Pedro Silva, evidenciou como se processou a ascensão do Centro Cultural Vila Flor em Guimarães / Museu de Arte Contemporânea, Centro Internacional de Artes José de Guimarães, neste momento uma das principais referências culturais do norte de Portugal. Quando houve a decisão de exponenciar estes espaços para um patamar elevado na cultura portuguesa, criou-se uma equipa de jovens recém-formados na área, profissionalizou-se a equipa, com Diretor Artístico, Diretor de Produção, técnicos de luz, de som, … Deixou de ser a divisão cultural da Câmara Municipal, que apesar da boa vontade e das boas intenções não tinha o know-how suficiente para projetar esta, hoje referência mesmo nacional, para patamares que, entretanto, logrou alcançar.

Produzir é … depende. Do campo ou área; dos recursos (humanos, técnicos, financeiros, …); do sucesso que se pretende.

Já Joaquim Escola, fez uma retrospetiva brilhante sobre viagens. Na história, na cultura, na religião, na educação, na perspetiva da atualidade.

Fez-se referência à nossa “viagem” enquanto seres humanos, viagem que nos permite encontrar, às vezes cruzar, com outros seres humanos. Quando nos encontramos é para deixar a nossa marcar, receber marcas dessas outras pessoas.

Uma vez que o projeto VidaGO está enquadrado pelas comemorações V Centenário da Circum-navegação de Fernão de Magalhães, patrono do Agrupamento de Escolas com o mesmo nome, fez-se referência ao feito do navegador. De há 500 anos para cá acumulou-se um vasto saber, um vasto conhecimento que nos fez evoluir, Portugal com as viagens de Fernão de Magalhães, Vasco da Gama, Pedro Alvares Cabral e outros navegadores deu mundos ao mundo, contribuiu para mundializar, para a mundialização. Assume-se hoje mundialização como sinónimo de globalização, no entanto, à frente deste processo temos potências económicas que esmagam o globo com o seu peso e influencia e nivela-se tudo, desde a maneira de vestir, o que se come, o que se vê.

Nesta globalização destaca-se o “Homo Viator”, expressão latina usada por um autor para designar este homem da atualidade, que se desloca, com uma mobilidade a uma escala nunca antes vista.

Há uma certa dose de experimentar, como era o caso dos nossos navegadores.

Hoje os mares são outros, faz-se a analogia da imensa informação a um mar, navega-se para obter informação. Tudo está ligado nestes mares de informação. Fernão de Magalhães decerto pretendia algo do género, ligar o mundo.

Dado o estado do mundo, esta “viagem” encalha muitas vezes na diferença, na intolerância. Pois, também há “viagens” deste tipo, protagonizadas por imensas massas humanas, de migrantes, refugiados, …

Na plateia havia muitos professores. Também eles fazem uma “viagem”. O aluno não escolhe o professor. Este surge perante o aluno, designado por uma direção e começa ali uma “viagem”, normalmente, de dois a quatro anos, consoante o ciclo de ensino, em que o aluno é conduzido, num processo, em que o aluno, na conclusão é ele quem escolhe o professor, o seu professor. Um processo que se destaca pela imensa disponibilidade do professor para o seu aluno, para o conduzir a bom “porto”, de competências, conhecimentos, responsabilidade, autonomia, …

Esta “viagem” que continuará até ao longínquo cosmos, ou até ao virar da esquina, numa lógica de “encontros”, muitos que nos marcam.
Este ciclo de conferências, promovido pela EB Vidago, no âmbito do projeto VidaGO que está a desenvolver, está a ser excelente, um ponto de encontro neste género de “viagens na minha terra”.

Agradecemos mais uma vez às termas de Chaves, à Vidagus Termas pela disponibilização do espaço do Balneário Pedagógico para a realização desta conferência.

Agradecemos ainda à Câmara Municipal de Chaves, ao Senhor Rui Branco do Primavera Perfume Hotel, à “Consurema” pelo apoio dado para a realização destas conferências e aos conferencistas pela disponibilidade e pela qualidade das conferências.

Aproveitamos para convidar a população a assistir, no Balneário Pedagógico de Vidago, à última conferência deste ciclo, agendada para o próximo dia 25 de Junho, sempre pelas 21.30 horas, sendo conferencista António Coelho, alpinista profissional, com o tema “Entre o Gerês e os Himalaias”.

24/06/2019 - 15:00
 
 
Alunos do Agrupamento premiados no Concurso “Uma Aventura… Literária 2019”

Alunos do Agrupamento premiados no Concurso “Uma Aventura… Literária 2019”

No âmbito do Concurso “Uma Aventura… Literária 2019”, promovido pela Editorial Caminho, dois dos alunos do 5.º e 6.º anos que participaram foram premiados, a Joana Ferreira, do 5.º ano, da turma D, da Escola de Vidago, e o Rodrigo Montalvão, do 6.º ano, da turma B, da Escola Fernão de Magalhães. A estes alunos foram atribuídos os Prémios Especiais do Júri, no ciclo de Escolaridade a que pertencem, à primeira aluna na modalidade de Texto Original e ao segundo aluno na modalidade de Crítica.

Os alunos e o agrupamento estão de parabéns pela qualidade dos trabalhos apresentados, que segundo o júri do concurso o encantou. Agradecem também à professora, Ana Matos, que com dedicação e empenho coordenou este concurso.

Os trabalhos premiados serão publicados num dos livros da coleção “Uma Aventura”. Os alunos premiados receberão um cheque-livro.

A aluna Joana Ferreira e o aluno Rodrigo Montalvão irão estar presentes na cerimónia pública de entrega dos prémios que irá decorrer no dia 3 de junho, pelas 14:30 horas, no Pavilhão Carlos Lopes, no Espaço Leya, da Feira do Livro de Lisboa (Parque Eduardo VII). As escritoras Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada irão participar na festa destinada aos premiados.

26/06/2019 - 10:45
 
 
 
 
 

Copyright © 2006-2019 Agrupamento de Escolas Fernão de Magalhães