V Séculos, 6 Continentes, Uma viagem para o mundo
V séculos, 6 continentes uma viagem para o mundo
CERIMÓNIA DE ENTREGA DE DIPLOMAS RVCC
Oferta Formativa 2019/2020
DESAFIO MATEMÁTICO DO DIA DO AGRUPAMENTO
COMEMORAÇÃO DO DIA DO PI - 13 de março de 2020 (Aproximação por defeito)
XXXVIII OLIMPÍADAS PORTUGUESAS DE MATEMÁTICA - 6 de novembro de 2019
Inscrições caminhada solidária
8º Roadbook BTT Fernão de Magalhães

UMA "RADIOGRAFIA"

Introdução

Pretende-se com este pequeno trabalho na área da Sociologia das Organizações Educativas fazer uma simples reflexão sociológica sobre a Escola Secundária Fernão de Magalhães tendo por base o texto "O Retorno da Desigualdade" de Maria de Fátima Bonifácio publicado no Jornal Público em 16-12-2004.

Poderia ser um trabalho muito mais aprofundado, com mais dados estatísticos, abrangendo mais anos e comparando-os com dados a nível nacional, tentando fotografar de uma maneira rigorosa essa realidade escolar numa perspectiva sociológica nas suas diversas vertentes: curricular, administrativa, de gestão, de recursos humanos…

Por agora tentaremos caracterizar a escola, analisar alguns indicadores que nos possam ajudar a compreender melhor o estabelecimento de ensino supra referido.

O CAFÉ SEM CAFEZES

As cadeiras sós e moribundas.

O cinzeiro – como sempre – nostálgico,
à espera dum cigarro findo e acabado.

A chávena de café
triste e vazia de cafeína.

Uma garrafa de cerveja
cheia de licor cevadeano.

A música suave,
lembrando um certo passado saudosista.

Uma mosca
que poisa numa careca suada e resplandecente.

O café quase deserto
mas alegre.

Uma buzina estridente
dum automóvel
que passa entre casas velhas e tristes.

Tudo é ser e essência
nesta essência existencial.

Tudo é caos e ordem
neste existir frouxo e lânguido.

Tudo é café sem cafezes.

A PROPOSITO DE FELICIDADE

A felicidade, não sendo um estado permanente, passa, essencialmente, pela disponibilidade para amar e ser amado. Passa por sentirmos que o caminho que trilhamos é o caminho que nos afasta de nós – já que cá estou: esforço-me pela concordância entre mim e a minha sombra. É pesado e aflijo-me para sobreviver, porque não quero vender todo o meu tempo nem a minha alma.

ESTA NOITE VI...

Esta noite vi

seres disformes cor-de-prata,

vi pássaros voando no ar térreo e empedernido,

vi cavalos pretos rindo-se de cavalos branco-esverdeados,

vi cataratas correndo sobre uma corda,

vi um espelho com o coração aos saltos,

vi cantar um relógio com pés de cabra,

vi um galo bebendo um whisky gelado,

vi uma mulher com os seios enormes e quadrados,

vi a lua ardendo em chamas que pingavam água.

Esta noite vi...uma noite conversando comigo.

 

 

ENVELHECIMENTO, SOCIEDADE, RELAÇÕES ENTRE HOMEM E MULHER

Não nos tornamos necessariamente obsoletos, quando envelhecemos.

Na caminhada para o fim – o fim para que caminham todas as coisas – os atentos, os disponíveis, assentam os trilhos de todos os destinos, e que se oferece no florescimento de todas as mensagens… E temos que aceitar, como verdade única, que o sol não brilha e não se oculta, na noite ou nas nuvens; que os campos não verdejam nem desmaiam; que as marés não se alteram à distância da lua; que o luar não apaga o negrume, para simples diversão do Universo.

Páginas

Subscreva Feed da página inicial

Copyright © 2006-2019 Agrupamento de Escolas Fernão de Magalhães